qua. abr 1st, 2020

cuboPOP | Últimas notícias da música, cinema e TV

Música pop, cultura, famosos, televisão, TV, cinema, geek, games, tecnologia

Warner não autorizou que Coringa fosse filmado em película gigante de 70mm

Coringa Joaquin Phoenix

Joaquin Phoenix em cena de Coringa. (Reprodução)

O sucesso de Coringa entrará para a história. O filme, que possui bilheteria de blockbuster com orçamento extremamente abaixo do comum para o gênero, já se tornou o mais lucrativo de todos os tempos. A Warner Bros e a DC Comics têm motivos de sobra para comemorar. O público não imaginava, no entanto, que nem tudo foram flores durante a produção da obra.

O diretor de fotografia, Lawrence Sher, revelou em entrevista à Variety durante um festival na Polônia que ele e o diretor Todd Phillips gostariam de ter filmado Coringa com a película gigante de 70mm, mas foram impedidos pelo estúdio que considerou o pedido ambicioso demais.

De acordo com Sher, o estúdio queria manter o orçamento de Coringa o mais baixo possível – afinal, naquele momento não era certo que o longa conseguiria recuperar tão fácil tudo que ele custou (e muito mais). Após a recusa da Warner, Sher e Phillips ainda solicitaram a filmagem em películas de 35mm, que também foram rejeitadas.

Películas

As películas são aqueles rolos de material fotográfico que você usava na sua câmera analógica durante os anos 90, que dominaram a indústria por quase um século antes de serem ultrapassadas pela tecnologia do cinema digital, que é muito mais prático e mais barato. A película de 70mm é a maior já fabricada, onde cada quadro é do tamanho próximo ao de um cartão de crédito.

No entanto, alguns diretores saudosos ainda preferem filmar da maneira analógica, por motivos artísticos e estéticos. As películas possuem certos ruídos de textura que o digital não consegue reproduzir – e que foram gourmetizados pelo “cinema cult”, tal como as sessões onde películas são projetadas nos projetores analógicos tradicionais.

Por fim, Coringa terminou sendo gravado em Alexa 65, uma câmera digital de luxo que até certo ponto consegue emular a textura de ruídos. A direção de fotografia de Lawrence Sher é um dos pontos altos do filme, com destaque para o contraste entre os tons cintilantes de verde e de vermelho.

Espalhe a palavra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *